Notícias

Pérola D’Oeste terá hospital municipal e mais dois novos postos de saúde

Postada em 05/04/2016

O prefeito de Pérola D’Oeste, Alcir Pigoso, falou ao Jornal Tribuna Regional sobre essa importante conquista para o Município

 

Na última semana o prefeito Alcir Pigoso esteve em Curitiba, onde visitou a Assembleia Legislativa e se reuniu com o Deputado Traiano, que fez anúncios importantes para o Município. “Nós conseguimos o empenho de um montante próximo a R$ 2 milhões para a construção de um hospital de pequeno porte, que será construído junto ao nosso posto de saúde central. Esse será um suporte que poderemos dar no atendimento à nossa população, pois poderemos oferecer um serviço 24hs nesse hospital, mesmo sendo ele de pequeno porte”, explicou o prefeito.

Outra informação muito importante é de que o Município terá também mais dois novos postos de saúde na área rural. “Um dos postos será na linha Sagrini e o outro ainda vamos estudar e ver onde será mais viável a instalação. Além disso, fizemos novas reivindicações, como o asfalto de Conciolândia, o recurso de R$ 350 mil para ampliação do Centro de Idosos e mais 45 casas nos projetos de habitação. Também cobramos oito casas que temos pendentes junto a COHAPAR (Companhia de Habitação do Paraná), que não foram construídas no ano passado por falta de recursos, mas que devem sair esse ano”.

O prefeito falou também sobre a Administração do Município de maneira geral. “Como esse é um ano eleitoral, termos prazos muito apertados para conseguir novos recursos e projetos. Até o dia 2 de abril, tudo deve ser encaminhado para que os recursos possam ser liberados e nossos projetos já iniciados tenham continuidade. Todos os prefeitos estão correndo e conosco não é diferente. Desde o início do nosso mandato, já foram mais de R$ 20 milhões investidos no Município e esperamos fechar o mandato com aproximadamente R$ 30 milhões em investimentos que melhoram a qualidade de vida da nossa população, seja em saúde, educação, infraestrutura, enfim. Não fizemos tudo aquilo que queríamos, mas o que previmos, conseguimos cumprir. Vale destacar que passamos por um momento difícil na economia do País. Nosso FPM hoje não paga nem a folha da prefeitura, ainda mais em um município onde se investe 30% do orçamento em saúde, mais 30% em educação, como é o nosso caso, por isso precisamos estar sempre na busca desses projetos para que possamos complementar a arrecadação e fazer com que as coisas aconteçam em nosso Município”.