Notícias

Deputado Federal Celso Maldaner fala do comprometimento com o Município na gestão de Thyago e Bianca

Postada em 15/10/2016

Ele também destaca as mudanças propostas pelo Governo Federal, como a PEC 241 e reforma previdenciária

Deputado Federal esteve em Dionísio Cerqueira e relatou ajuda para a gestão 2017/2020. “Eu vim trazer o meu abraço caloroso aos eleitos, Thyago e Bianca. Vim cumprimenta-los pela vitória, mas especialmente, trazer o meu comprometimento como deputado do extremo oeste de Santa Catarina. Vim pra dar uma palavra de tranquilidade e dizer que não haverá obstáculo. Haverá minha dedicação, de corpo e alma”, disse.

A ajuda virá de emendas, a partir de projetos e reivindicações que receber. “Dia 20, cada parlamentar vai indicar as emendas. 50% você coloca na área da saúde e aí o Thyago vai me dizer se quer para investimentos, equipamentos. A gente pode ajudar as municipalidades e 50% para atender as outras áreas”, salientou.

Segundo o Deputado, é possível arrumar recursos extraorçamentários. A cota é de R$ 15 milhões para cada parlamentar.

Ainda segundo ele, o trabalho do candidato eleito a prefeito é fundamental. Nesse processo, a verificação dos projetos em andamento ou que necessitam de finalização, pode ser uma oportunidade para que, no futuro, se consiga recursos.

Um dos facilitadores para isso é a sigla partidária. Michel Temer, Presidente da República, é do PMDB, o mesmo partido dos eleitos em Dionísio Cerqueira e do Deputado Federal.

O futuro do país e sua relação com a PEC 241

Na segunda-feira, 10 de outubro, aconteceu a votação, em primeiro turno, da PEC 241, a proposta de emenda constitucional que cria um teto para gastos públicos e que congela as despesas do Governo Federal, com cifras corrigidas pela inflação, por até 20 anos. Na Câmara de Deputados ela foi aprovada com 366 votos a favor, 111 contra e 2 abstenções.

A PEC é uma iniciativa para modificar a Constituição proposta pelo Governo. O objetivo é frear a trajetória de crescimento dos gastos públicos e tentar equilibrar as contas públicas.

Para o Celso, que votou sim, a aprovação é importante diante das despesas que são maiores que a arrecadação. “Com essa votação, vamos readquirir a confiança dos investidores, tanto nacionais como estrangeiros, para fazer o país crescer. Nós vivemos a pior crise da história, a pior recessão da história do Brasil. Nem em 1901, nem 1929 aconteceu uma recessão tão acentuada como a de hoje”, salientou.

Além disso, nesse processo de confiabilidade, foi aprovado o fim da participação obrigatória da Petrobras na exploração de petróleo nas camadas do pré-sal. Essa ação vai impulsionar os investidores. “Nós vamos mudar a regra do jogo, dar segurança jurídica pra investir, claro que vai vir muitas concessões, privatizações e eu poderia citar muitos. O Brasil vai crescer, mas o congresso tem que fazer a sua parte”, disse.

O Deputado também rebate os comentários de que haverá o congelamento de recursos da educação e saúde. “É mentira. Vamos aumentar os recursos. O orçamento para o ano que vem é de R$ 113,7 bilhões e vamos aumentar em R$10 bilhões. Os recursos da saúde serão aumentados e da educação não vai ser diferente. Eles não entram na PEC 241”, enfatizou.

Além disso, outra ação também está na lista de mudanças: a reforma previdenciária. Segundo Celso, ela é necessária, pois, no futuro, não haverá dinheiro para pagar os aposentados. A reforma não prevê a retirada de direitos adquiridos.